Meus queridos amigos. Esta é minha última postagem. Despeço-me de vocês, após esses anos todos de convivência tão graficante para mim.

Não tenho data para retornar. E, como todos que se despedem daqui afirmam, também eu não deixarei de visitar vocês, quando me for possível.

Deixo-lhes meus agradecimentos e meu forte abraço de carinho de sempre.

Dora Vilela

 

 



 Escrito por Dora Vilela �s 10h49 [   ] [ envie esta mensagem ]




Armadilha

 

 

 

espreitar é minha mania de ver os desvãos das coisas

porque é mais que ver

é acionar as curiosidades buliçosas

que não morreram na menina

nem feneceram nos aprendizados de normas

 

espiar é moda que uso nas olhadelas das coisas

prá aprofundar suas aparências

que são feito camaleão

e enganam e trucam e

metamorfoseiam

sempre ofuscando os olhos

desprevenidos que temos.

 

ainda não surpreendi o interior das coisas

mas, permaneço no jeito de tocaia,

de esguelha, com aparência de sonsa

e cara de quem não se importa...

 

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 11h24 [   ] [ envie esta mensagem ]




 

 

A cadeira de meu pai

 

 

seu corpo balançava a cadeira,

a cadeira de balanço,

e a comandava

na sua cadência de velho,

seu peso preenchia o espaço

da confecção de palhinha,

os braços de leve acompanhavam

os braços arqueados de madeira

o impulso vinha dos pés

para o monótono vaivém,

cabeça apoiada

matutando as nuvens do pensamento

ele meio que dormitava

no ritmo do movimento

a cadeira era o oceano que

fluía e refluía na areia da sala

maré alta, maré baixa

meu pai balançava no mar

que ele mesmo comandava.

 

 

Dora Vilela

 



 Escrito por Dora Vilela �s 17h47 [   ] [ envie esta mensagem ]




                                                                      Olhem o presente que ganhei da amiga, Loba!

                                                                      Uma "leitura" 

                                                                      do poema ao lado:

 

                                                                                             

romeu e julieta

 

meu amor

de julieta

prepara:

 

gerânios na janela

respirando alegria

e braçadas de cantiga

namorando poesia

 

meu amor

de julieta

confia:

 

nos rios do tempo

salgam-se as dores

e em açúcar e canela

enroscam-se os amores

 

meu amor

de julieta

floresce:

 

todo dia

romeu

   Despoluição                                                                                          

 

não quero lhe dar meu amor

assim poluído

contaminado pela dor

(você merece mais que

um prazer enfermiço)

 

vou lhe buscar a alegria perdida

e lhe mostrar sua guarida

em braços de cantiga

 

vamos nos enroscar

nas beiras dos rios do esquecimento

e renovar as primícias

 

lembra?

 

amor e sexo juntos são como

mistura de açúcar com canela

 

vamos namorar na sacada

romeu-e-julieta que não morrem

e se encontram

entre as dobras estreladas dos lençóis.

 

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 17h14 [   ] [ envie esta mensagem ]




Intraduzível

 

 

O poeta nada sabe

e aprende com o que ele mesmo se ensina

 

 se arvora em tradutor da realidade

cujo idioma não  é explicitado

 

o poeta se irmana aos bruxos

e quer ousada magia

cria gramáticas e letras

sintonizadas com o corpo

(não as há)

 

o poeta abusa e tenta

estuprar portas fechadas

 

desespera-se no inefável sabor

da fruta que morde

da qual o sabor, simples na boca,

se torna complexo nas idéias

que lança

 

a voz do poeta é luz de vela

frágil ante um sopro

de uma doce criancinha

que lhe ultrapassa_ inocente_

a dolorosa veleidade.

 

Dora Vilela

 

 



 Escrito por Dora Vilela �s 13h27 [   ] [ envie esta mensagem ]




Peço-lhes desculpas pelo meu "apagão" blogueiro...

E agradeço-lhes, como sempre, todas as palavras mistas de carinho e preocupação.

 

 

 

 

Imperdoável

 

 

 

distraída, sofrendo, de gota em gota,

não vi a história se fazendo,

nem o sol

me cumprimentando de fora da janela.

 

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 10h25 [   ] [ envie esta mensagem ]







 
 
Outros Textos:
  01/08/2009 a 31/08/2009
  01/07/2009 a 31/07/2009
  01/05/2009 a 31/05/2009
  01/04/2009 a 30/04/2009
  01/03/2009 a 31/03/2009
  01/02/2009 a 28/02/2009
  01/01/2009 a 31/01/2009
  01/11/2008 a 30/11/2008
  01/10/2008 a 31/10/2008
  01/09/2008 a 30/09/2008
  01/08/2008 a 31/08/2008
  01/07/2008 a 31/07/2008
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/05/2008 a 31/05/2008
  01/04/2008 a 30/04/2008
  01/03/2008 a 31/03/2008
  01/02/2008 a 29/02/2008
  01/11/2007 a 30/11/2007
  01/10/2007 a 31/10/2007
  01/09/2007 a 30/09/2007
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/07/2007 a 31/07/2007
  01/06/2007 a 30/06/2007
  01/05/2007 a 31/05/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007
  01/01/2007 a 31/01/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/09/2006 a 30/09/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/07/2006 a 31/07/2006
  01/06/2006 a 30/06/2006
  01/05/2006 a 31/05/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/02/2006 a 28/02/2006
  01/01/2006 a 31/01/2006
  01/10/2005 a 31/10/2005
  01/09/2005 a 30/09/2005
  01/08/2005 a 31/08/2005
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005


Links:
  uol
  Adélia
  Ádina
  Ana Lúcia
  Ana poeta
  Aninha
  Beti
  Clarice
  Claudinha
  Cris
  Crys
  Dauri
  Diovvani
  Elza
  Ery
  Fabrício Carpinejar
  Francisco Dantas
  Francisco Sobreira
  Grace
  Jacinta
  Jens
  Jota
  
  Lino
  Lívia
  Luma
  Manoel
  Márcia Clarinha
  Maria Augusta
  Marco
  Miguel
  Mônica M.
  Nora
  Pedro Pan
  Renato
  Saramar
  Tânia
  Yvonne
  Wilson
  Zeca
  Shi
  Boca
  Bisbilhoteira
  DO
  Soninha
  Fernanda
  Cecília
  Bia
  Adelaide
  Eurico
  Bosco
  Mai
  Élcio
  Joice
  Dácio(novo)
  Ilaine
  Edilson
  Euza
  Sandra
  tb
  Moacy
  Simone
  Amarísio


VOTA��O
 D� uma nota para meu blog!







O que � isto?