Logro

 

 

 

 

 

abandono meu remanso

morno, brando

enamorada do vento

lá fora a  suspirar

meu nome repetido,

 

falsa é a voz dele

eu sei sobejamente_

mas, mente-me ele

ou engano-me a mim?

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 11h28 [   ] [ envie esta mensagem ]




Objetos de desejo

 

 

as ruas se matavam entre si

na disputa do ódio melhor

 

o sangue se banalizou

e a cor rubra não traz pudor,

nem culpa, nem pavor

 

_o pão era a medida

era a pedida

a instância da vida_

 

não é mais,

é pouco

 

além do pão,

hoje é preciso o circo

e as quinquilharias.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 17h02 [   ] [ envie esta mensagem ]




Quando eu escrevia cartas

 

 

é sua essa silhueta

que bruxuleia

no fundo das palavras

que lhe envio?

tente firmar-lhe a carnadura

traga-me sua pessoa

de inteireza

em músculos, sangue

e fortaleza

forje uma sombra mais densa

antes que essa imagem sua

se esfume nas letras

antes que você

se apague de minhas páginas

e eu não o reconheça em mim...

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 11h37 [   ] [ envie esta mensagem ]




Pensares descabidos

 

 

 

 Dispersa em momentos tão vários e buliçosos, me afasto do meu centro. A solidão, se fazendo rara em mim, traz o medo. Porque só vivo de verdade, em contato com descobertas pessoais. O mundo não pertence a ninguém, e, por outro lado, cabe a quem se apropria dele. Meu mundo é aquele que me circunstanciou. Dele me aposso. Mas, não é uma posse de aprisioná-lo. É antes uma interação de amor. Para isso, busco purificar minha visão e meus sentidos todos. E me exercito em encontrar sextos e infinitos sentidos.

Quero a realidade me surpreendendo sempre, dando cor aos momentos, que, mesmo nas suas dores, me ultrapassam as verdades.

E com tantas armas de pesquisa, não trago mensagens novas a ninguém. Os meus contatos falam de antiqüíssimos fragmentos de mundo. E de alegrias finas que estão por aí.

Trago a sensação delicada de uma chuva que me molhou os cabelos e me escorreu pelos olhos, como se eu chorasse chuva. Ela brincou comigo. Entrego de presente minha oferta simples de um sol matutino que me fez cócegas na mão, e eu rio, de puro gozo, agradada da galanteria dele. Somos companheiros.

Há dias em que vivo o deserto. Contudo, a imensidão de areia seca me mostra o infinito. E me aquieto, porque não posso apreendê-lo e esse fato também é tão bom para um descanso na ignorância, que faz parte integrante de mim e de todos nós.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 11h58 [   ] [ envie esta mensagem ]




                                                

 

Questões

 

 

não tenho resposta

prá alegria louca

que um bando de borboletas

desata em meu peito

 

mistério da beleza

nesse caso

diáfano e translúcido

 

não sei responder

a razão de doer

em fina pontada

a visão de meu pai

chegando da feira

carregado de frutas

invariavelmente doces.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 18h01 [   ] [ envie esta mensagem ]




Etapas

 

não sonho devaneios

sonho realidade

ou realizo sonhos reais

 

não sou sonhadora

nem fantasiosa

 

apenas trago o amanhã

para o hoje

 

e deixo o passado

de enfeite

para o sonho do futuro

que presencio agora.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 10h34 [   ] [ envie esta mensagem ]




SHI, ESSE POEMA É SEU!

FELIZ ANIVERSÁRIO!!!!

 

Teimosa

 

 

o longe não é muito distante

para o olhar comprido

de mirar raio de lua

e copa de palmeira

porfiar na

busca do querer

no longínquo que seja

há que se ter

no peito

vontade vigorosa

e no pensar

um empenho

de emendar noite com dia

prá contemplar o desejo

acontecido.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 09h28 [   ] [ envie esta mensagem ]




Blogagem coletiva- Coisas da Terra

 

Peço desculpas,  porque pretendo deixar apenas algumas palavras,

já que, por motivos “técnicos”, não saberia fazer um post extenso.

 

A cidade de Guaratinguetá

 

 

Minha cidade é Guaratinguetá. Fica no Vale do Paraíba,

entre as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

Seu nome significa em tupi-guarani “local onde abundavam garças brancas”.

O povoado de Guaratinguetá nasceu no século XVII, em 1628,

fundado por Jacques Félix e filhos. A fundação de Guaratinguetá (chamada por nós de Guará)

foi marcada pela construção da capela “erguida em palha e parede de mão”.

Hoje, localiza-se aí a Catedral de Santo Antonio, padroeiro de Guará.

 

 

 

 

 Passados 21 anos, o povoado elevou-se à Vila, quando foi erigido o pelourinho.

No século XVIII, Guará tornou-se uma das principais Vilas da Capitania do Vale do Paraíba.

Foi o período do ouro e do açúcar. Houve ainda um fato de especial

significado para a cidade: o encontro, nas águas do Rio Paraíba,

pelos pescadores, da imagem enegrecida de Nossa Senhora da Conceição, Aparecida.

Ainda em Guaratinguetá, nasceu o primeiro santo brasileiro: Frei Antonio de Sant` Ana Galvão.

No século XIX, Guará atinge o apogeu do café.

Um marco desse século é a escolha de Guaratinguetá por

D. Pedro I para pernoite, em 18 de agosto de 1822, quando faz a “trilha da independência”.

Em 1844, é elevada à categoria de cidade. Em 1848, nasceu nela

Francisco de Paula Rodrigues Alves, futuro Conselheiro e Presidente do Brasil,

eleito duas vezes. O ano de 1885 marcou o auge da produção cafeeira. Mas, no século XX,

há o esgotamento das terras e Guará passa para novos focos econômicos:

pecuária, industrialização e fomento comercial. É uma nova comunidade.

No século XXI, Guará descobre seu desenvolvimento no Turismo, que encontra nos meios rurais

seus mais propícios meios, tanto pela exuberância e beleza das paisagens,

como pelos encantos da Mantiqueira, e ainda pela vida rural que se expressa no caminho para o mar.

 

 

Em Guaratinguetá, hoje, no perímetro urbano, a arquitetura e a cultura fundem o passado

 e o presente: são os marcos que expressam a tradição em suas mais de 200 festas anuais

que reverenciam sua própria história.

 

Dora Vilela   



 Escrito por Dora Vilela �s 09h48 [   ] [ envie esta mensagem ]




Contraditoriamente

 

A vida carrega a morte e o instante fatal, pari passu com a festa e com a celebração.

Não há espanto, para quem está cônscio. Nem é caso de depressão.

Viver é morrer lentamente, dentro de um corpo que sente, que sabe o gozo, o prazer do ar inspirado( e expirado), a saliva no pão odoroso, a quentura do sol no rosto, a mão amada no pescoço, o beijo no lábio fremente.

Viver é fazer o percurso da morte, num riso, que é sempre por um triz.  Viver é um risco que se corre. Viver é só uma respiração, em dois tempos. Viver é simplesmente.

E sempre se pode caminhar ao vivo e a cores.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 20h35 [   ] [ envie esta mensagem ]




Sacramental

 

no meu desamparo

me agarro às palavras

e nelas continuo a trajetória

dos momentos de desistência

as palavras sustentam meus gestos

têm o vigor de coisa vivente

se chamo meu cão

ele vem até mim

já que o som do seu nome

criou o movimento

comunico divindade às palavras

porque são do princípio

quando tudo iniciava

e tudo era

apenas o Verbo.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 10h07 [   ] [ envie esta mensagem ]




O casaco

 

 

Eu o teci um dia. Um casaco de lã, para aquecê-lo. E eram milhares de pontos que as agulhas trançavam na dança do tricô. Muita atenção nas laçadas milagrosas que realizavam a façanha: fios e fios se fundiam num tecido espesso e morno, que virou um traje para seu corpo.

Corpo que eu tive nas mãos, enquanto voava na arquitetura de seu casaco azul. Eu o moldava com meus dedos ágeis de amorosa fiandeira.

Cada ponto era uma prece apaixonada por cada ponto de sua pele. Ficou plena de energia a malha que ganhava a mágica extensão, escapando-me das mãos.

Foram dias de tecer a vida em fios que o prenderiam no azul-petróleo do casaco.

E ele o vestiu pela cabeça, desajeitado como ficam os homens provando vestimentas. Serviu como luva, ajustando-se, molemente em seu dorso. Traje de passeio, para as noites geladas. Pelas ruas, meu abraço abrangia-lhe a robustez aquecida pela lã macia.

E eu orgulhosa de fazer-lhe uma veste, gerada pelas minhas mãos, como se eu cobrisse o primeiro homem do paraíso, com o tecido original.

Ele gastou esse casaco no uso. Apaixonou-se pelo presente símbolo genuíno de uma ternura cariciosa.

Virou roupa doméstica. De dormir no sofá. De ler. De tomar chocolate quente, na cozinha.

Os punhos começam a puir, de tantas lavagens e de atrito com o mundo.  Mas, no guarda-roupa ainda é seu traje mais importante. 

Meu receio é o casaco, como tudo o que está no tempo, se desfazer, voltar a ser fios, tornar-se farrapo. Melhor guardar. Como uma lembrança para depois. Ele não concorda, no entanto...

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 20h58 [   ] [ envie esta mensagem ]




Pessoal! Meu presente continua lá, na Adelaide: www.meublog.net/adelaideamorim

Genética de “mim”

 

tenho o nome comprido

responsável e exigente

externamente interior

 

produto de entrelaçamentos

ajustes

genealogias

dos que agiram sem mim,

 

não me ajusto com ele

 

ele diz muito prá mim

da ferrugem do tempo

e  do peso das cobranças

 

não o renego,

mas é pseudônimo de mim

 

tiro-lhe as algemas,

inominada,

e provisória,

escolho um apelido

que hoje me identifique

a mim.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 09h54 [   ] [ envie esta mensagem ]




 

Olá, pessoal. Andei longe de vocês, nesses dias de feriado prolongado...

Prometo colocar-me em dia, com as costumeiras respostas aos leitores e com as visitas aos amigos.

Queria contar-lhes do presente lindo que ganhei da querida amiga Adelaide! Querem saber? Está no blog dela: www.meublog.net/adelaideamorim

Questão

 

procuro

o que está por trás

de todos os cotidianos

entre sóis e luares

e mundos estelares

 

na inata curiosidade

que me constrói

perguntas

e corrói meus dias

 

na minha mão

na pele que me apalpo

sei a ponta do iceberg

na afirmação

de que o Tempo-

o tempo não existe_

sou eu que me destruo

nessa obrigação de viver.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 10h31 [   ] [ envie esta mensagem ]







 
 
Outros Textos:
  01/08/2009 a 31/08/2009
  01/07/2009 a 31/07/2009
  01/05/2009 a 31/05/2009
  01/04/2009 a 30/04/2009
  01/03/2009 a 31/03/2009
  01/02/2009 a 28/02/2009
  01/01/2009 a 31/01/2009
  01/11/2008 a 30/11/2008
  01/10/2008 a 31/10/2008
  01/09/2008 a 30/09/2008
  01/08/2008 a 31/08/2008
  01/07/2008 a 31/07/2008
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/05/2008 a 31/05/2008
  01/04/2008 a 30/04/2008
  01/03/2008 a 31/03/2008
  01/02/2008 a 29/02/2008
  01/11/2007 a 30/11/2007
  01/10/2007 a 31/10/2007
  01/09/2007 a 30/09/2007
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/07/2007 a 31/07/2007
  01/06/2007 a 30/06/2007
  01/05/2007 a 31/05/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007
  01/01/2007 a 31/01/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/09/2006 a 30/09/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/07/2006 a 31/07/2006
  01/06/2006 a 30/06/2006
  01/05/2006 a 31/05/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/02/2006 a 28/02/2006
  01/01/2006 a 31/01/2006
  01/10/2005 a 31/10/2005
  01/09/2005 a 30/09/2005
  01/08/2005 a 31/08/2005
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005


Links:
  uol
  Adélia
  Ádina
  Ana Lúcia
  Ana poeta
  Aninha
  Beti
  Clarice
  Claudinha
  Cris
  Crys
  Dauri
  Diovvani
  Elza
  Ery
  Fabrício Carpinejar
  Francisco Dantas
  Francisco Sobreira
  Grace
  Jacinta
  Jens
  Jota
  
  Lino
  Lívia
  Luma
  Manoel
  Márcia Clarinha
  Maria Augusta
  Marco
  Miguel
  Mônica M.
  Nora
  Pedro Pan
  Renato
  Saramar
  Tânia
  Yvonne
  Wilson
  Zeca
  Shi
  Boca
  Bisbilhoteira
  DO
  Soninha
  Fernanda
  Cecília
  Bia
  Adelaide
  Eurico
  Bosco
  Mai
  Élcio
  Joice
  Dácio(novo)
  Ilaine
  Edilson
  Euza
  Sandra
  tb
  Moacy
  Simone
  Amarísio


VOTA��O
 D� uma nota para meu blog!







O que � isto?