Aos meus amigos

 

 

O céu não é o limite

 

O céu da minha manhã, que o olhar capta em ligeiro azul,se prolonga e percebo meu equívoco.

Nessa infinitude, meus olhos não alcançam o limite, e céu significa todo o espaço acima de mim.

Não posso abordá-lo, na minha restrita capacidade. Mas, por isso mesmo me consola porque o penso como um invólucro de todas as coisas abaixo dele.

Ele não é o céu, é o telhado aberto, e ao mesmo tempo abrangente, que me aconchega ao mundo, como se eu fizesse um acampamento de férias e o céu fosse a imensa barraca de lona que nos adicionaria em companheirismo.

Meu céu é de todos e quando eu o contemplo realizo um gesto tão largamente amistoso de comunhão. Efetuo um encontro de olhares, como pipas coloridas que se entrelaçam, lá no alto, numa festa de congraçamento, onde raios de todos os tempos e lugares, provindos dos infinitos olhos do mundo, se tocam e se reconhecem na sua perplexidade.

O céu da minha manhã parece agora se estender majestoso e, ao fitá-lo, meu olhar o transforma em um sagrado dossel do templo da visão humana.

Aí revisito todos os meus amigos que estão longe... e que, de repente, ficam perto.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 13h20 [   ] [ envie esta mensagem ]




 

Inspiração matutina

 

 

 

com o gosto amargo e doce

do café da manhã,

me inspiro na xícara

e faço o poema

 

o poema é louvor

do odor, do prazer

e do intenso calor

de um instante de luz

 

a luz vem da miúda,

diluída, sentida

sensação de esplendor

de sentir o viver

 

o viver se apega ao tato

da mão que depõe a xícara

no lábio queimando, vibrando,

sugando o negror do café

 

o café se sacramenta

em força envolvente,

concentrando espaço

entre a consciência e o ser.

 

Sou lúcida e viva

na boca aquecida

no corpo que sente

pensando e existindo.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 18h00 [   ] [ envie esta mensagem ]




Percepções

 

 

Atualmente, os dias me têm passado em separado, como se estivessem destacados, sem ligação com o anterior e com o que virá.

Assemelham-se a pequenas pérolas de um colar que arrebentou e cada uma rolou para um canto do aposento. São pérolas sozinhas, não são um colar.

O dia se escoa em mim com sua própria cota, sem continuação da trajetória de ontem.

Esses dias, de que faço referência, diferem das novelas televisivas, com os capítulos se ligando entre si. Vivo a trama toda num só dia. E no outro, ela já está terminada.

Como em filme.

E o dia seguinte se inicia úmido, limpo como uma folha em branco a ser preenchida com uma intriga nova.

Tenho a sensação de habitar o dia, como saída de um ovo, mas sem a ingenuidade dos recém-nascidos.

Faço o aprendizado de esmiuçar as coisas e observar os minúsculos fenômenos. Reduzo a pressa, que me fazia varar os dias como se olhasse de uma janela de trem veloz.

Em cada dia, condenso uma vida total, no presente que ocorre.

Isso não é um esquema. Mas, é um efeito didático.

Vivenciar o dia, em separado, é tentativa de fixar a pulsação que cada minuto traz e atentar na surpresa de existir gratuitamente, sem esperar grandes eventos mundanos.

Ando em experiência de vida miúda que, na verdade, pode ser a experiência mais vital que realiza a autêntica vida Maior.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 09h33 [   ] [ envie esta mensagem ]




Passagem

 

 

Progrido em sua direção.

A lua esquálida me testemunha

nos atalhos onde enrosco minha túnica.

Preparei-me com sândalo

das horas balsâmicas.

Deixei ninhadas

em viço de existência.

Não me despedi

do sangue que circula

nem das dores estancadas pelo olvido.

As estações ainda virão

e numa delas

me deitarei

à sombra de um salgueiro

que chorará sem lágrimas

minha estada última

o  vento

dissipará minhas cinzas

sobre a relva

companheira.

 

Dora Vilela

 

 

 

 



 Escrito por Dora Vilela �s 10h16 [   ] [ envie esta mensagem ]




Confusões

 

Quando me canso, quero escrever banalidades. Mas, elas, as banalidades, são enganosas. Porque afinal, nem sempre se distingue o que é importante para viver.

E é muito relativo o sentido do que é banal. Conheço pessoas que adoecem por coisas que a mim nem tirariam o sono. E vice-versa.

Talvez o dicionário possa auxiliar com a explicação de que banal é corriqueiro, trivial ou vulgar.

Não sei por que fui tratar desse assunto. Porque para mim, banalidade acabou por associar-se à banana, a fruta mais trivial em nossa mesa.

Mas, nesse caso, comer uma banana macia, madura e amarela, pode ser um momento sem nenhuma banalidade, já que aprecio enormemente essa fruta e cada mordida nela é um ato de pura fruição. Não é banal.

Porém, ao invés de banalidades, deveria ter dito que queria escrever trivialidades. Quem sabe desse no mesmo quanto ao surgimento de dúvidas. Mas, pelo menos, trivial não me levaria a relacionar a palavra com nada comestível e prazeroso.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 11h08 [   ] [ envie esta mensagem ]




Inefável

 

Tenho uma boca que me delata.

O pensamento se enovela e se enrosca, enquanto a boca já o fala, despudorada e leviana.

Mas, devo muito a ela. Justamente porque, na sua precipitada atitude, me presta um valioso auxílio.

Quando ela diz o que nem sei exatamente, ela me induz a desvendá-la.

Parece que minha boca, que fala de mim, não sou eu, não faz parte do meu todo.

Sou uma fragmentada, quando falo a palavra. Saio à cata das peças do meu puzzle vocabular.

Meu pensamento se debate numa atmosfera nebulosa, num chão de limbo, entre precipícios, que não ouso encarar, agarrada em raízes que brotam sem cessar, de um escuro habitat.

Porém a voz apressada que mora em minha boca faz seu arranjo e torna meu pensamento dizível.

Assim, às vezes, ela me aborta o aprofundamento. Quem sabe ela assassina o mais verdadeiro de mim.

No entanto, reconheço que a porcentagem ignota ela não falará, porque não se pode falar o que não é palavra, não se pode organizar em discurso o que é apenas vibração, o que é som disforme e o que é sombra de sombras.  Isso caberá sempre ao silêncio.

 

Dora Vilela

 



 Escrito por Dora Vilela �s 23h24 [   ] [ envie esta mensagem ]




Modinha para o amor caminhante de meus dias

 

 

nosso encontro primeiro

que afirmei

tão casual

 

nosso encontro então subestimado

por cautelas de sóbrios arroubos

 

nosso encontro que quase

beirou o ridículo

dentro das medrosas expansões

 

nosso encontro...

 

ei-lo que se desenrola

e se faz vital

agora a nos engolir

 

nos confundindo em

laços que ensinam

uníssonos dizeres

 

que nos iguala

nos mesmíssimos

rasgos, dores e prazeres

 

nosso encontro tão casual

que até agora

ocasiona o nosso encontro de hoje.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 13h24 [   ] [ envie esta mensagem ]




Platonismo

 

Era agora uma mulher alada. De tão leve, mal tocava o chão. Apaixonada por um ser etéreo, que se substanciava apenas nas palavras.

Lia seus versos de fogo dirigidos a ela, a escolhida. E se alimentava deles, nos dias que deslizavam mansos na superfície das letras.

Nunca lhe vira os traços, que delineava a seu bel-prazer, o sorriso, a boca, assim como as mãos. Ele se encaixava viril e forte, doce e frágil, nos devaneios das entrelinhas.

Ansiosamente procurou saber mais dele. Queria olhos nos olhos, o corpo entregue às carícias. Queria a tradução das palavras no amor concretizado.

O retrato que ele enviou disse pouco.

Encontrou-o, enfim. Em carne e osso. Não o reconheceu. O coração desacelerou. Buscou em vão os vestígios da paixão. Ele era um estranho às palavras que a faziam vibrar.

Desencantou-se. Rasgou os versos e a foto. E pisou com força no chão.

 

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 20h44 [   ] [ envie esta mensagem ]




 

 

Compensação

 

 

a noite

dentro do corpo

que só medita sombras

e usa óculos escuros

no sol das avenidas

 

no entanto

esmago as uvas

e preparo o vinho doce

destinado

ao consumo

nas sedentas adegas

dos outros.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 19h48 [   ] [ envie esta mensagem ]




Vital

 

 

você se debruça em meu abismo

                                                                        

procurando fontes

                                                                        

e, cegos, mergulhamos,

                                                                     

de mãos entrelaçadas.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 20h40 [   ] [ envie esta mensagem ]




Repentes

 

Assombra-me a mudança súbita de qualquer natureza.

Sou afeita a ritmos lentos, silenciosos e delicados como a floração das rosas, que não se soltam repentinamente dos botões para se expandirem em corolas. Há um capcioso labor, sub-reptício, que se inicia nas raízes calcadas na terra até o fino caule, e ninguém percebe a olho nu a seiva se transmutando em flor aberta. Não há sustos na metamorfose paulatina. Existe o espaço vagaroso do escoar do tempo.

Meu assombro se evidencia na contemplação das ondas marinhas encapeladas, subitamente, a engolir embarcações e viventes. Fico me perguntando, atônita, que mar é esse, tão radicalmente distinto daquele que me lambe os pés, na areia macia.

Que rebeldia tão furiosa o faz levantar-se, de repente, da superfície, enrolar-se em serpentes uivantes, fustigar com raiva os rochedos, bramir sons de ira e vingança?

Não o concebo temperamental na praia que ele caprichosamente borda de espuma, onde deposita conchas multicores, cantando ritmicamente a canção de um vaivém .

Vejo uma esquizofrenia no mar obediente e dócil aos meus passos e o murmúrio dele fica a me soar como o choro daqueles que, mesmo culpados, são inocentes.

Mas, o que me transtorna e me deixa confusa é a intermitência de sua forma de existir, sua dupla personalidade: o mar é uma realidade mansa, plena de doçura, com a humildade do cordeiro, e é, ferozmente, o monstro de destruição e tragédia, indomável como um cavalo selvagem.

Esse repente, essa mudança de humor, essa face raivosa me ensina a existência dos opostos.  É uma evidência que o mundo transmite. O mar a ilustra, explicitamente. Eu sei.

Todavia, continuo a sobressaltar-me, mesmo assim...

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 11h19 [   ] [ envie esta mensagem ]




Brincadeiras

 

Em mim mora uma vidente. Que se julga poderosa. Recebo mensagens dela, no bem silêncio que me faço.

É um jogo que entretemos. Finjo crer nela e ela finge que me surpreende. Ela me conta a meteorologia dos meus sentidos. Aceito as chuvas que ela prenuncia e sorrio.

Minha intimidade, que ela devassa, sei que é plena de abismos.

Essa vidente fala o óbvio, como todas o fazem.

Envio-lhe um sol radioso, que adquiro pelas manhãs, antes que ela perceba. Convivemos, eu e ela, nessas trocas. Ela quer me assustar. E augura a transitoriedade da minha larga alegria.

Respondo-lhe com a violência do coração vibrando.

No seu subterrâneo, ela me sussurra atentos cuidados.

Não dependo dela e saio em busca da minha liberdade. Que é vermelha.

E misturo os tons.

Surge em mim a flor azul-avermelhada que coloco na lapela do meu vestido de festa.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 12h02 [   ] [ envie esta mensagem ]




Não costumo colocar no meu blog textos que não são da minha autoria.

Mas, esse texto de Marta Medeiros interpretou tão literalmente minha forma de pensar, que me deu vontade de expô-lo aqui.

 

 

JEITO DE SER

Existe uma coisa difícil de ser ensinada e que, talvez por isso, esteja
cada vez mais rara: a elegância do comportamento.

É um dom que vai muito além do uso correto dos talheres e que
abrange bem mais do que dizer um simples obrigado diante de uma gentileza.

É a elegância que nos acompanha da primeira hora da manhã até a
hora de dormir e que se manifesta nas situações mais prosaicas, quando
não há festa alguma nem fotógrafos por perto.

É uma elegância desobrigada.
É possível detectá-la nas pessoas que elogiam mais do que criticam.
Nas pessoas que escutam mais do que falam. E quando falam, passam
longe da fofoca, das pequenas maldades ampliadas no boca a boca.
É possível detectá-la nas pessoas que não usam um tom superior de voz
ao se dirigir a frentistas.
Nas pessoas que evitam assuntos constrangedores porque não sentem
prazer em humilhar os outros.
É possível detectá-la em pessoas pontuais.

Elegante é quem demonstra interesse por assuntos que desconhece,
é quem presenteia fora das datas festivas, é quem cumpre o que promete
e, ao receber uma ligação, não recomenda à secretária que pergunte
antes quem está falando e só depois manda dizer se está ou não está.

Oferecer flores é sempre elegante.
É elegante não ficar espaçoso demais.
É elegante não mudar seu estilo apenas para se adaptar ao de outro.
É muito elegante não falar de dinheiro em bate-papos informais.
É elegante retribuir carinho e solidariedade.

Sobrenome, jóias e nariz empinado não substituem a elegância do gesto.
Não há livro que ensine alguém a ter uma visão generosa do mundo,
a estar nele de uma forma não arrogante.
Pode-se tentar capturar esta delicadeza natural através da observação,
mas tentar imitá-la é improdutivo.
A saída é desenvolver em si mesmo a arte de conviver, que independe
de status social: é só pedir licencinha para o nosso lado brucutu, que
acha que com amigo não tem que ter estas frescuras.
Se os amigos não merecem uma certa cordialidade, os inimigos é que
não irão desfrutá-la.
Educação enferruja por falta de uso. E, detalhe: não é frescura.

Texto de Marta Medeiros.



 Escrito por Dora Vilela �s 10h38 [   ] [ envie esta mensagem ]




Centenário

 

 

Enfim, gostara de envelhecer. Ele, nem tanto. Mas, pensava ser o equilíbrio constante entre eles que lhe dera a sensação de vencer alguma barreira, ou ultrapassar um perigo.

Sempre imaginara um pesadelo sentir com pujança, na própria carne, o desmoronar do ritmo ágil e leve, passando para aquela lentidão pesada dos membros.

A repugnância que experimentara ao pensamento de se ver descarnada e seca, enrugada e trêmula, fora substituída por uma calma de fim de tarde.

Com a vista já cansada e gasta chegava a admirar as mãos pigmentadas no dorso, com os nós dos dedos mais grossos e hirtos.

A lucidez mental permanecia com ela e a memória das mãos era a mais nítida: revia-as amassando o barro, embalando crianças, empunhando lápis, dedilhando o piano.

Rememorava com orgulho a história que elas criaram, história anônima, circunscrita. A sua história. História de um século.

Ela mesma, sentada, tranqüilamente ao lado dele parecia talvez a visão de um fragmento captado do tempo.

O companheiro trazia mais marcados os traços da velhice e amparava-se ansiosamente na sua quietação.

Estavam sós dentro do mundo.

Nela a sabedoria fizera as pazes com o universo.

Ele relutava ainda, já que valorizara sempre o vigor físico.

Sua última incumbência quem sabe fosse suavizar–lhe essa dificuldade por ele tão mal assimilada.

Mas, não haveria urgência de nada daí em frente, para ambos.

Ela podia acreditar que saboreava mesmo tal momento da vida, em que não a alcançariam mais as cobranças do mundo.

Sua decrepitude orgânica lhe outorgava outra espécie de força, aquela que vem do pretérito e da experiência.

Não necessitava mais adaptar-se: tudo daria no mesmo.

O frenético orgulho de outrora cedera lugar à sensatez e à humildade. Enfim, sabia que todos os caminhos convergem para a saída única.

Não transformara o mundo, na medida em que desejara. Doara, sim, a sua verdade, a sua intencional busca da felicidade humana.

No outono da vida, ele procurava seu braço. Com alvoroço juvenil acolhia dele a eleição de ser seu derradeiro alento.

Viver era somente isto. Procurar. Tentar. Amar.  A nobreza da velhice consiste em se deparar com a certeza oculta da vida inteira: “navegar é preciso.”

Apesar de...valera a pena.

Dora Vilela



 Escrito por Dora Vilela �s 21h13 [   ] [ envie esta mensagem ]







 
 
Outros Textos:
  01/08/2009 a 31/08/2009
  01/07/2009 a 31/07/2009
  01/05/2009 a 31/05/2009
  01/04/2009 a 30/04/2009
  01/03/2009 a 31/03/2009
  01/02/2009 a 28/02/2009
  01/01/2009 a 31/01/2009
  01/11/2008 a 30/11/2008
  01/10/2008 a 31/10/2008
  01/09/2008 a 30/09/2008
  01/08/2008 a 31/08/2008
  01/07/2008 a 31/07/2008
  01/06/2008 a 30/06/2008
  01/05/2008 a 31/05/2008
  01/04/2008 a 30/04/2008
  01/03/2008 a 31/03/2008
  01/02/2008 a 29/02/2008
  01/11/2007 a 30/11/2007
  01/10/2007 a 31/10/2007
  01/09/2007 a 30/09/2007
  01/08/2007 a 31/08/2007
  01/07/2007 a 31/07/2007
  01/06/2007 a 30/06/2007
  01/05/2007 a 31/05/2007
  01/04/2007 a 30/04/2007
  01/03/2007 a 31/03/2007
  01/02/2007 a 28/02/2007
  01/01/2007 a 31/01/2007
  01/12/2006 a 31/12/2006
  01/11/2006 a 30/11/2006
  01/10/2006 a 31/10/2006
  01/09/2006 a 30/09/2006
  01/08/2006 a 31/08/2006
  01/07/2006 a 31/07/2006
  01/06/2006 a 30/06/2006
  01/05/2006 a 31/05/2006
  01/04/2006 a 30/04/2006
  01/03/2006 a 31/03/2006
  01/02/2006 a 28/02/2006
  01/01/2006 a 31/01/2006
  01/10/2005 a 31/10/2005
  01/09/2005 a 30/09/2005
  01/08/2005 a 31/08/2005
  01/07/2005 a 31/07/2005
  01/06/2005 a 30/06/2005
  01/05/2005 a 31/05/2005
  01/04/2005 a 30/04/2005
  01/03/2005 a 31/03/2005
  01/02/2005 a 28/02/2005
  01/01/2005 a 31/01/2005


Links:
  uol
  Adélia
  Ádina
  Ana Lúcia
  Ana poeta
  Aninha
  Beti
  Clarice
  Claudinha
  Cris
  Crys
  Dauri
  Diovvani
  Elza
  Ery
  Fabrício Carpinejar
  Francisco Dantas
  Francisco Sobreira
  Grace
  Jacinta
  Jens
  Jota
  
  Lino
  Lívia
  Luma
  Manoel
  Márcia Clarinha
  Maria Augusta
  Marco
  Miguel
  Mônica M.
  Nora
  Pedro Pan
  Renato
  Saramar
  Tânia
  Yvonne
  Wilson
  Zeca
  Shi
  Boca
  Bisbilhoteira
  DO
  Soninha
  Fernanda
  Cecília
  Bia
  Adelaide
  Eurico
  Bosco
  Mai
  Élcio
  Joice
  Dácio(novo)
  Ilaine
  Edilson
  Euza
  Sandra
  tb
  Moacy
  Simone
  Amarísio


VOTA��O
 D� uma nota para meu blog!







O que � isto?